Artigo: Jornalismo é vocação

Notícia do dia 07/04/2019

Jornalismo é vocação

Tadeu de Souza

Eu não me fiz jornalista. Eu nasci jornalista. Eu tinha 20 anos quando o jornalista e então vereador de Manaus, Fábio Lucena, que me foi apresentado pelo semideus da literatura amazonense Jorge Tufic, me perguntou no gabinete do parintinense Benedito Góes, então diretor financeiro do grupo Calderaro, se eu havia lido alguma obra do advogado Rui Barbosa e o que me havia marcado na produção literária do grande baiano. Respondi: esta frase, Fábio! “Jornalista nasci, jornalista é que sou e de jornalista nunca haverão de me demitir”. Pautei minha vida profissional neste lema do grande advogado e jornalista. Assim tem sido. Jornalismo pra mim não é profissão. Sou formado em Magistério. Jornalismo pra mim é vocação. É um permanente estado de emoção. Adrenalina a mil. Acordo todo dia com a mesma alegria e determinação do inicio da carreira. Cinco e meia da manhã já estou na Rádio Clube fazendo jornalismo. Informando a cidade. Comentando fatos da noite e do dia anterior. Continuo com a mesma garra para aprender. Inernado no hospital Jofre Cohen me recuperando do segundo infarto me escondia no banheiro pra discutir pauta com meus colegas do “Agora Parintins” para o desespero do cardiologista e dos meus familiares. Não consigo ficar longe do jornalismo. Não escrevia no hospital para atualizar meu blog porque os medicos proibiram a entrada do meu computador. Convivo e aprendo diariamente na TV EM TEMPO, minha segunda casa, com grandes profissionais como Ivan Nascimento, Mariana Rocha, Márcia Lasmar, Gabriela Moreno, Juliano Couto, Victor, Luis, Waldir, produtores como Nilza Vieira, Marcelo, Wendel, Emanuelle. No impresso EM TEMPO convivo e aprendo com Mário Adolfo e todos os colegas do Portal EM TEMPO comandados por esssa grande jornalista e colega Gláucia Gersanti. Fora da minha casa de trabalho aprendo com talentos como os conterrâneos Neuton Correa, Marcos Santos, profissionais como Gil Monteiro, meu colega dos tempos de rádio e amigo pra toda vida, Rosy Costa, Jefersson Muniz. E aqui em Parintins com veteranos como Floriano Lins, Aderaldo Reis (que faz questão de ser chamado de radialista) e jovens como Márcio Costa, Geandro Soares (pra mim a mais expressiva revelação do curso de Comunicação da Ufam) Glauber Gonçalves, Hudson Lima. Com todos eles aprendo a crescer como profissional vocacionado e com ser humano. Mas, se tem um companheiro querido, amado que me entende e faz jornalismo comigo há mais de vinte anos é o cinegrafista Iziel Pimentel. Tem . Percepção. Sabe o que é notícia para o telespectador. Juntos desde a Rede Boas Novas (RBN) cujo jornalismo implantamos, Iziel, menino e garoto humilde de Nhamundá, todos os dias, com o motora Jorgemar Brasil ao volante, registra, junto comigo, o quotidiano da cidade e também os tristes dramas da vida. Isso chama-se vocação de jornalista.

Fonte: Portal Tadeu Souza