Atual campeão do Mundial pela França, técnico Didier Deschamps estreia na Copa de sorriso novo

Quando a França sagrou-se a campeã da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, Didier Deschamps, um dos três únicos do mundo a ter vencido o Mundial como jogador e técnico, chamou atenção nas redes sociais. Mas não foi pelo desempenho de seus comandados, mas pelo sorriso: os dentes aparentemente desgastados e o sorriso “incompleto” logo viraram assunto nas redes sociais.

Odontologistas apontaram que o desgaste nos dentes pode ser originado do bruxismo, uma “desordem funcional que se caracteriza pelo ranger ou apertar dos dentes durante o sono”, de acordo com o site do médico Drauzio Varella. Mas a ausência de um dos dentes superiores também foi notada, e o assunto do sorriso do treinador invadiu os noticiários esportivos.

Em janeiro de 2019, o treinador apareceu de sorriso novo, e o assunto repercutiu na mídia. Perguntado, ele tocou brevemente na questão, mesmo já tendo afirmado que não precisava comentar sobre sua vida pessoal. Mas a insistência das perguntas fez Deschamps dar uma declaração mais efusiva: “A única coisa que vou dizer é que, sendo o técnico da França, tem uma questão sobre a minh aparência que é importante, porque fala sobre a imagem da Federação [Francesa de Futebol]”.

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

O fato é que não faltam motivos para o treinador sorrir — ou não faltavam, até algumas semanas atrás, quando a França começou a sofrer baixas no elenco por lesão. Na estreia, contra a Austrália, joga com seis de suas peças faltando, sendo três essenciais: Karim Benzema, atual vencedor da Bola de Ouro e cortado nos primeiros dias de treinos já no Catar, além dos volantes Pogba e Kanté, lesionados antes mesmo da convocação do Mundial.

Sorrindo ou de cara fechada, a depender do desenrolar da partida, Didier Deschamps agora terá a chance de exibir o procedimento odontológico pela primeira vez no maior palco do futebol mundial.