Bombeiros encontram corpo de menino de 7 anos que desapareceu no mar do Recreio

Equipes do Corpo de Bombeiros encontraram o corpo do menino de 7 anos que desapareceu no mar do Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste, na segunda-feira (18), enquanto fazia um passeio com a avó e o tio. Ambos são de São Paulo e estavam passando as férias no Rio. Na ocasião, os dois adultos também se afogaram. Depois de três dias de internação no Hospital Miguel Couto, a avó do menino, Suzete Oliveira, de 55 anos, morreu nesta quinta-feira. Já Guilherme de Oliveira recebeu alta do Hospital Lourenço Jorge.

O surfista Ângelo Lopes, que acompanhou as buscas no dia de ontem, contou à reportagem que chegou a tentar salvar a criança:

— Eu estava em um quiosque e vi umas pessoas pedindo por socorro. Imediatamente peguei meus pés de pato e pedi para que ligassem para os bombeiros. Quando entrei no mar, vi três pessoas: um rapaz que estava na boca do canal, além de uma mulher e um garotinho que estavam de frente para as pedras. Eu tentei entrar para pegar a criança, mas vinha muita onda. Ela foi jogada contra as pedras e eu não a vi mais. Imagino que o menino esteja na parte debaixo dessas rochas. Eu tentei de tudo, mas não consegui salvá-lo — lamenta o surfista.

Desde janeiro deste ano, o Corpo de Bombeiros já registrou cerca de 11 mil ocorrências em orlas do Rio de Janeiro. Na região do Recreio dos Bandeirantes, foram 1.128 resgates de pessoas afogadas até este mês. Segundo o major Fábio Contreiras, o bairro é considerado o terceiro lugar com mais afogamentos em todo estado, atrás da área de Copacabana, na Zona Sul, que abrange ainda praias de Ipanema, Leblon e Leme, e da Barra da Tijuca, na Zona Oeste.