Brasil vence a Eslovênia e leva o bronze inédito no Mundial

Melhores momentos: Brasil 3 x 1 Eslovênia, pela disputa de 3º lugar do Mundial de vôlei

Uma equipe habituada a vencer tem dificuldade a lidar com as frustrações. Quando as feridas acontecem na caminhada ao título, fica complexo encontrar motivação para seguir em frente com algo que não foi desejado. Mas o verdadeiro campeão é moldado a superação, muito trabalho e entrega. O Brasil valorizou a disputou a pelo no pódio neste domingo, apresentou um vôlei de alto nível e conquistou a inédita medalha de bronze no Mundial de vôlei masculino. Sem demonstrar abalo por ter ficado fora da grande final e com o ponteiro Lucarelli lesionado, a seleção brasileira venceu a Eslovênia por 3 sets a 1 – com parciais de 25/18, 25/18, 22/25 e 25/18.

O histórico do Brasil em jogos pelo terceiro lugar era totalmente desfavorável. A seleção já havia disputado a medalha de bronze outras três vezes em Mundiais e ficou na quarto posição em todas as ocasiões: em 1986, na França, em 1990, no Brasil, e em 1998, no Japão. A conquista deste domingo também marcou a nova despedida de Wallace, que teve uma grande atuação e deixou a quadra como maior pontuador com 22 acertos.

O campeão olímpico estava aposentado da camisa verde e amarela mas se colocou à disposição do técnico Renan Dal Zotto para jogar a competição quando soube da lesão do oposto Alan, que rompeu o tendão de Aquiles. Não houve sinalização por parte do jogador de que possa retornar à seleção para os Jogos de Paris, em 2024.

+ Quer acompanhar o Brasil em busca do tetracampeonato do Mundial de Vôlei de Masculino? Garanta já Globoplay + canais ao vivo e não perca um jogo do Brasil!

O Brasil chegou desacreditado no Mundial, após resultados polêmicos e a eliminação nas quartas de final na Liga das Nações, mas fez uma campanha invicta até a semifinal. A seleção cresceu durante a competição, com a evolução do levantador Fernando Cachopa, mas perdeu o ponteiro Lucarelli no momento decisivo da partida contra a Polônia. O campeão olímpico sentiu dores na panturrilha esquerda e foi desfalque contra a Eslovênia.

Rodriguinho substituiu Lucarelli, que sentiu dores na panturrilha esquerda — Foto: FIVB

Logo após a derrota para a Polônia na semifinal, o levantador Bruninho falou que era a hora de juntar os cacos e jogar tudo pelo bronze. Ele não mentiu na declaração. O Brasil entrou em quadra concentrado e determinado a conquistar a medalha inédita no Mundial. No momento em que houve um susto no primeiro set, rapidamente o técnico Renan Dal Zotto fez mudanças e ajustou a equipe.

Lucão conseguiu uma sequência de saques determinante para a vitória do Brasil na parcial. A seleção chegou a sofrer ameaça no terceiro set, mas Leal fez uma ótima partida, lembrando o jogador importante da fase de grupos.

O que disse o capitão

 

“Significa muito”, diz Bruninho sobre medalha de bronze

Números do jogo

 

Maiores pontuadores:

Wallace – 22 pontos
Leal – 19 pontos
Stern – 17 pontos
Cebulj – 14 pontos

Pontos de ataque:
Brasil: 50
Eslovênia: 45

Pontos de bloqueio:
Brasil: 13
Eslovênia: 4

Pontos de saque:
Brasil: 8
Eslovênia: 5

Pontos em erros adversários:
Brasil: 26
Eslovênia: 25

1° set – Trocas dão parcial para o Brasil

 

Concentrado, o Brasil logo abriu vantagem no placar. Leal assumiu as ações ofensivas e foi o destaque da seleção no começo do jogo. Aos poucos, no entanto, a equipe foi perdendo a potência. A Eslovênia cresceu nos erros do adversário. O bloqueio brasileiro não subiu, e o ponteiro Cebulj conseguiu atacar. Com o placar apontando 12 a 8 para os eslovenos, o técnico Renan Dal Zotto fez trocas em quadra: colocou Adriano no lugar de Rodriguinho e Bruninho, na posição de Cachopa.

O Brasil melhorou. Lucão foi para o saque e anotou seis pontos seguidos. Ele colocou a seleção à frente no marcador e ainda deixou a margem de três pontos: 18 a 15. A sequência embalou a equipe, que segurou a reação da Eslovênia e ainda fez ótimas jogadas. Um bloqueio de Flávio fechou o set para o Brasil em 25 a 18.

2° set – Leal reaparece e faz a diferença

Ficou complicado para a Eslovênia encarar um Brasil confiante. Após a vitória no set anterior, a seleção encaixou as jogadas. Bruninho viu que Leal estava na partida e acionou o ponteiro, que colocou todas no chão. Wallace também apareceu bem, sendo ótima opção para fugir da marcação. Stern era um desafogo para os eslovenos, mas a vantagem colocada no começo da parcial garantiu a vitória do Brasil em 25 a 18.

3° set – Eslovênia reage com Stern e Cebulj

 

Parecia que o jogo estava resolvido, que o Brasil fecharia a partida em 3 sets a 0. Ainda com Leal e Wallace como bolas de segurança, a seleção mantinha uma ótima vantagem no placar: 15 a 9. Mas a Eslovênia reagiu e – de forma impressionante. Destaques do time, Stern e Cebulj se uniram e aplicaram a virada do set. O técnico Renan Dal Zotto ainda tentou algumas modificações, mas os eslovenos garantiram a parcial em 25 a 22.

4º set – Vontade e motivação do Brasil

 

A Eslovênia largou na frente, abrindo 4 a 0 no placar. O Brasil parou o jogo, o técnico Renan Dal Zotto pediu tempo para reorganizar a equipe. Aos poucos, a seleção se encaixou e voltou a jogar como nos primeiros sets. Lucão fez outra sequência avassaladora no saque, e Wallace virou todas as bolas levantadas por Bruninho. A seleção conseguiu ótima vantagem na parcial e, com tranquilidade, foi construindo a vitória. Após um ataque de Wallace, o Brasil garantiu o bronze: 25 a 18.

GE