Início Interagindo no Carnaval Comissão aponta viabilidade do Carnaval 2022 e recomenda cobrança de passaporte vacinal

Comissão aponta viabilidade do Carnaval 2022 e recomenda cobrança de passaporte vacinal

Presidente da comissão, Tarcísio Motta (PSOL) deixou claro que é preciso cautela, já que os índices de vacinação no Estado do Rio e no Brasil estão mais lentos do que os do município

Rio – A Comissão Especial de Carnaval da Câmara dos Vereadores acredita que o Rio está perto de atingir os índices estabelecidos para que as festividades aconteçam em 2022. Especialistas consultados pela Comissão apontaram para a “viabilidade do Carnaval na cidade”. Presidente da comissão, Tarcísio Motta (PSOL) deixou claro, nesta sexta-feira, que é preciso cautela, já que os índices de vacinação no Estado do Rio e no Brasil estão mais lentos do que os do município.
Com a chegada do verão, os especialistas ouvidos pela Comissão apontaram a diminuição das doenças respiratórias no Rio. Além disso, as crianças que tem sido atendidas com sintomas gripais tem apresentado PCR negativo.
Secretário Municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz afirmou que, neste momento, a pasta cobrou que o Ministério da Saúde passe a cobrar o passaporte vacinal de turistas de outros países. “Já estamos apreciando essa situação e vamos definir nas próximas semanas se mantemos o passaporte vacinal, se aumentamos a cobrança a outros setores da sociedade ou se vamos alcançar uma cobertura vacinal tão alta que ele não será mais necessário”, pontuou o secretário.
A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) espera que até o Carnaval mais da metade da população adulta já tenha recebido a dose de reforço da vacina contra a covid-19. “No Carnaval, praticamente 70% da população adulta vai estar vacinada com a terceira dose se acompanharmos esse período período de cinco meses. Além da cobertura que temos hoje, os ótimos indicadores que temos hoje, vamos ter uma dose de reforço adicional, que poucos países tiveram quando liberaram todas as atividades”, disse.
Epidemiologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Medronho recomendou a obrigatoriedade do passaporte vacinal para os turistas. O médico, que faz parte da Comissão, acredita que o documento deve ser exigido em aeroportos, rodoviárias, hotéis, clubes, além dos bares e restaurantes. “Assim, exporemos ao mínimo risco do carioca adoecer e eventualmente morrer de Covid-19”, pontuou.
No Rio, até esta sexta-feira, mais de cinco milhões e meio de pessoas receberam a primeira dose, o equivalente a 87,5% da população total vacinada. Neste momento, 76,3% da população tem o esquema vacinal contra a covid-19 completo e mais de um milhão de cariocas já receberam a dose de reforço. No total, 11.974.901 doses foram aplicadas no Rio ao longo da campanha de vacinação.
ODIA