Corinthians vence Goiás e iguala Palmeiras em pontos na liderança do Brasileirão

Fábio Santos faz o gol da vitória em cobrança de pênalti polêmico

O Corinthians venceu o Goiás por 1 a 0 na tarde deste domingo, na Neo Química Arena, e fechou o domingo com a mesma pontuação do Palmeiras na liderança do Campeonato Brasileiro – o rival está à frente no saldo de gols e joga contra o São Paulo nesta segunda-feira. Fábio Santos fez o gol da vitória, cobrando pênalti nascido de lance polêmico. O resultado premiou a equipe de melhor produção. O Goiás, sobretudo no primeiro tempo, teve desempenho muito tímido no ataque. E acabou entrando na zona de rebaixamento.

Melhores momentos de Corinthians 1 x 0 Goiás pela 13ª rodada do Brasileirão

  • Na tabela

    Com a vitória, o Corinthians foi a 25 pontos, mesma pontuação do Palmeiras, mas atrás do rival no saldo de gols – 16 a sete. O Goiás, com 14, entrou na zona de rebaixamento: é o 17º. Clique aqui e veja a tabela completa do Brasileirão.

    Renato Augusto em Corinthians x Goiás

    Renato Augusto em Corinthians x Goiás (Foto: Marcos Ribolli)

  • Próximos jogos

    O Corinthians dá um tempo no Brasileirão e volta a campo na quarta-feira pela Copa do Brasil. Às 21h30, recebe o Santos no jogo de ida das oitavas de final. No mesmo dia, mas às 19h, o Goiás também tem clássico regional pelo torneio nacional: visita o Atlético-GO no Estádio Antônio Accioly. Pelo Brasileirão, o Timão volta a jogar no sábado, às 19h, novamente contra o Santos (e novamente em casa). Um dia depois, o Goiás recebe o Cuiabá.

  • Pênalti?

    Aos 30 minutos do primeiro tempo, o árbitro Bráulio da Silva Machado marcou pênalti ao identificar toque de braço de Caio Vinicius, do Goiás, após chute de Róger Guedes. Na visão de Salvio Spínola Fagundes, comentarista da Central do Apito, não foi pênalti.

    – A bola bate no peito, depois ela vai no braço. Tem uma discussão muito grande de braço de apoio, se está aberto, se não está aberto. Eu não marcaria este pênalti. É primeiro na barriga, e o braço de equilíbrio tem um movimento que eu considero necessário para o jogador do Goiás. O Caio Vinicius precisa colocar aquele braço. A bola bate na barriga e depois no braço. Para mim, não é pênalti.

    Central do Apito: Salvio Spinola diz que não marcaria pênalti de Caio Vinícius a favor do Corinthians

     

  • E agora, pênalti?

    Aos 26 do segundo tempo, Pedro Raul pediu um puxão de Robson Bambu. A arbitragem não marcou. Para Sálvio Spínola, da Central do Apito, o movimento não foi suficiente para ser marcada a penalidade.

    Pedro Raul cai na área, Goiás pede pênalti, mas arbitragem manda jogo seguir
  • Primeiro tempo

    O Corinthians foi o dono do primeiro tempo. Desde o começo, se impôs em campo, posicionou o time no ataque e rondou a área adversária. Mas encontrou um adversário bastante fechado, com duas linhas fazendo um ferrolho na frente da área. A consequência foi a dificuldade para encontrar espaços – e os transformar em chances de gol. Não por acaso, o Timão foi somando finalizações truncadas, que acabavam ou travadas pela zaga (como em chute de Gustavo Mantuan, aos 11), ou divididas entre atacante e zagueiro (como em tentativa de Róger Guedes aos 13). O Goiás pouco atacava, não conseguia ameaçar nos contragolpes que ensaiava. E viu seu plano defensivo ruir aos 30 minutos, quando a arbitragem marcou toque de braço de Caio Vinicius em finalização de Róger Guedes – mal marcado, na visão do comentarista Sálvio Espínola Fagundes. Fábio Santos bateu e fez. Depois do gol, o Goiás tentou sair mais ao ataque, mas sem sucesso. O Corinthians, bem postado, seguiu chegando mais inteiro à frente e levou a vantagem ao intervalo sem sustos.

  • Segundo tempo

    O Goiás voltou para o segundo tempo com Fellipe Bastos no lugar de Caio Vinicius. Jair Ventura tentou deixar a equipe mais ofensiva, com peças mais à frente. Embora com menos intensidade na comparação com o primeiro tempo, o Corinthians seguiu mandando no jogo. A diferença é que o Goiás ao menos conseguiu chegar, como em chute de fora da área de Fellipe Bastos e em cabeceio de Pedro Raul – ambos defendidos por Cássio. O Timão respondeu com chute colocado de Gustavo Mantuan, rente ao ângulo. Na metade do período, Vítor Pereira decidiu mexer na equipe: tirou Cantillo e Mantuan, colocou Giuliano e Lucas Piton. O jogo ficou truncado por alguns minutos, e o Goiás insistiu na busca pelo empate. Pedro Raul pediu pênalti de Robson Bambu, em puxão na camisa – ignorado pela arbitragem, em decisão correta, na visão de Salvio Spínola, da Central do Apito. Depois, Pedro Raul tentou de cobertura, aproveitando saída de Cássio, mas errou a mira. O Esmeraldino, nos minutos finais, ensaiou uma pressão, mas o Corinthians se manteve seguro em campo e garantiu os três pontos.

    GE