Feijoada da Tia Surica vira patrimônio histórico e cultural do Rio

A tradicional feijoada da Tia Surica virou patrimônio histórico e cultural do Rio. O reconhecimento foi condedido no dia de anivesrário da baularte da Portela, que completa 73 anos nesta quarta-feira. A lei, de autoria do deputado Dionísio Lins (Progressista), foi sancionada pelo governador em exercício, André Ceciliano.

De acordo com o autor da proposta, a famosa feijoada preparada Ivanette Ferreira Barcellos, mais conhecida como Tia Surica, tornou-se ponto de encontro de sambistas, turistas, personalidades cariocas, autoridades e, por fim, de “verdadeiros adoradores do feijão”

— Durante esses 17 anos de existência, já foram servidos mais de 2 milhões de pratos durante os encontros realizados na quadra da Portela, escola da qual sou benemérito — explicou Dionísio Lins.

Eterna pastora da Velha Guarda da agremiação azul e branca de Oswaldo Cruz, Surica herdou de Tia Vicentina, uma das matriarcas da Portela, a tradição de preparar a feijoada.

Em 2003, Tia Surica lançou seu primeiro CD onde reuniu parte da elite de compositores da Portela, como Monarco, Chico Santana e Maniceia, que depois se reuniam na casa dela para apreciar um bom feijão. A partir daí, os encontros tornaram-se frequentes, até virarem uma atração na região.

Extra