Fluminense joga mal, só empata com Unión e depende de um milagre para classificar na Sul-Americana

A baixa temperatura em Santa Fe, na Argentina, representou bem o que foi a partida válida pela Copa Sul-Americana. Era para ser uma espécie de “final”, mas o clima em campo foi tão frio que sequer parecia uma decisão. A conclusão é que o empate em 0 a 0 entre Fluminense e Unión foi ruim para os dois, mas principalmente para a equipe tricolor, que agora está virtualmente eliminada da competição. Só não está matematicamente porque um milagre ainda é capaz de salvar a equipe do técnico Fernando Diniz.

Na matemática, apenas um resultado classifica o Fluminense na última rodada: vencer e torcer por um empate entre Junior Barranquilla e Unión. Ainda assim, teria que tirar seis gols de diferença no saldo para avançar. Missão quase impossível.

A realidade é que o Fluminense entrou desligado. Por exemplo, levando em conta a primeira etapa,o tricolor chegou ater 60% de posse de bola, mas não conseguia finalizar e tinha dificuldade para criar perigo com Cano bem marcado, geralmente por dois marcadores. Já o Unión se armava para contra-ataques e tinha a estratégia clara de explorar as costas de Yago Felipe, improvisado como lateral.

A primeira finalização do Fluminense aconteceu apenas aos 41 minutos, com Nathan, chutando de fora da área por cima do gol. Muito pouco ainda para quem precisa vencer — e vencer bem.

No segundo tempo, o clima frio se manteve e nem mesmos as substituições de Fernando Diniz melhoraram a equipe. Na verdade, ao empilhar atacantes, ficou desorganizada e levou ainda menos perigo, a ponto de o Unión ficar mais perto da vitória. Reflexo de um time que em nenhum momento se mostrou próximo de vencer. A virtual eliminação é apenas consequência disso.

EXTRA