Itacoatiara concentra 84% dos casos de ‘doença da urina preta’ até julho, aponta FVS-AM

O município de Itacoatiara, no Amazonas, concentra 84% dos casos de rabdomiólise, conhecida como “doença da urina preta”, em todo o estado até julho deste ano. Os dados são da Fundação de Vigilância em Saúde, que monitora a situação.

Em 2021, o Amazonas sofreu um surto de rabdomiólise. Até o dia 21 de dezembro, foram notificados 132 casos da doença. Desses, 75 foram confirmados e 57 descartados. Naquele ano, Itacoatiara liderou o ranking de casos, com 72 registros (44 confirmados e 28 não compatíveis).

Já neste ano, até julho, a FVS registrou 22 casos suspeitos. Desses, 19 são compatíveis com a doença e três foram descartados.

Itacoatiara lidera o ranking de casos mais uma vez. Foram 19 notificações (16 casos compatíveis com a doença e três descartados). Já ItapirangaParintins e Tabatinga registraram um caso, cada.

A maior quantidade de casos registrados no Amazonas aconteceu em junho. Foram 10 registros, sendo oito somente em Itacoatiara.

Os principais sintomas relatados pelos pacientes, segundo a FVS, são: dores no corpo, mal estar, náuseas, dor no toráx, dor abdominal e dormência, além de fraqueza muscular e vômito.

O relatório da FVS aponta, ainda, que a faixa etária mais afetada pela doença, até o momento, é a de 20 a 39 anos, com oito casos até o momento. Em seguida, vêm as pessoas de 40 a 59 anos. Nesse grupo, a FVS registrou sete casos da doença.

G1AM