Mais de 550 mil pessoas foram vacinadas no Amazonas contra vírus H1N1, afirma Ministério da Saúde

Em 15 dias, 55% da população-alvo foi vacinada

Nos últimos 15 dias, 550.445 pessoas foram vacinadas no Amazonas contra o vírus H1N1. O número corresponde a 55% da população-alvo da ação, de acordo com levantamento publicado nesta quarta-feira (4) pelo Ministério da Saúde.

A campanha teve início no dia 20 de março no Amazonas. A programação teve que ser antecipada devido à quantidade de casos que surgiram nos últimos meses.

Conforme a 17ª edição do Boletim Epidemiológico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), elaborado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), foram 998 casos notificados de SRAG, permanecendo os 120 positivos para o Vírus da Influenza A (H1N1) e 163 para Vírus Sincicial Respiratório (SRV).

As vacinas estão disponíveis gratuitamente em todo o Estado: são 1.535 salas de vacinação localizadas em Unidades Básicas de Saúde do Amazonas.

Somente na capital, pela Prefeitura de Manaus, serão 200 postos de vacinação em todas as zonas da cidade. No interior, a organização da campanha de vacinação está a cargo de cada um dos 61 municípios.

Manaus terá vacinação reforçada

Manaus tem 95,69% do público-alvo imunizado contra a Influenza. Entretanto, nas próximas semanas, será dada uma atenção maior a grávidas e crianças de seis meses a menores de seis anos, cujos percentuais ainda estão abaixo do desejado, 74,27% e 86,39%, respectivamente.

“De forma estratégica, equipes de vacinação estão nas maternidades de Manaus com o intuito de imunizar as gestantes que fazem o acompanhamento médico. Postos de vacinação foram instalados na recepção para atender as mulheres grávidas que ainda não tomaram a dose”, explica o secretário da Semsa, Marcelo Magaldi.

As vacinas também serão distribuídas nas escolas e creches para alcançar a meta de cobertura vacinal.

Imunização prioritária é voltada para seguinte público-alvo:

  • Crianças a partir de seis meses a menores de cinco anos;
  • Idosos a partir de 60 anos;
  • Professores de rede pública e privada;
  • Trabalhadores da saúde;
  • Povos indígenas;
  • Gestantes e mães com até 45 dias após o parto;
  • Pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Boletim

De acordo com a FVS, o número de óbitos por H1N1 não mudou. São 32 mortes sendo 25 em Manaus e três em Manacapuru, e Parintins, Itacoatiara, Japurá e Urucurituba com um caso cada.

Em relação ao vírus sincicial, também permanecem os 13 óbitos divulgados na última sexta-feira (22).

Dos 48 pacientes graves que evoluíram para óbitos, entre fevereiro e março de 2019, 40 deles faziam parte de grupo de risco mais suscetíveis, com destaque para crianças menores de cinco anos, idosos, pessoas com diabetes, pneumopatas, pessoas com obesidade e neuropatas.

Fonte: G1