Novo prefeito e vice de Manaus ganham mais de 50% de aumento nos salários a partir de 2022

A Câmara Municipal de Manaus aprovou, nesta segunda-feira (21), um aumento de mais de 50% nos salários do prefeito e vice-prefeito de Manaus. Em sessão, os vereadores aprovaram dois projetos de lei que determinam aumento nos próprios salários, além nos salários de secretários e subsecretários municipais.

Caso os projetos de lei entrem em vigor, o reajuste nos salários dos servidores acontece a partir de 1º de janeiro de 2022. O G1 questionou a Prefeitura de Manaus se os projetos serão sancionados e aguarda resposta.

Conforme o Projeto de Lei nº 369/2020, o subsídio mensal do prefeito vai de R$ 18 mil para R$ 27 mil, um aumento de 50%.

O subsídio mensal do vice-prefeito, ainda segundo o projeto, vai de R$ 17 mil para R$ 26 mil, um reajuste de 52,9%.

O mesmo projeto também prevê aumento do subsídio de secretários e subsecretários municipais. Os servidores desses cargos recebem R$ 15 mil e R$ 14 mil, respectivamente, e devem passar a receber R$ 21 mil e R$ 19 mil.

Já o Projeto de Lei nº 370/2020 trata sobre o aumento dos salários de vereadores. Os pagamentos, a partir de janeiro de 2022, serão fixados em 75% do subsídio dos deputados estaduais.

Atualmente, os vereadores de Manaus recebem R$ 15.031,76. Com o reajuste, eles devem passar a receber R$ 18,9 mil.

De acordo com os projetos aprovados, os salários do prefeito, vice, vereadores, secretários e subsecretários ficam congelados no ano de 2021. O vice-prefeito Marcos Rotta, que foi anunciado para a Secretaria de Infraestrutura, pode optar pelo recebimento do subsídio de vice-prefeito.

O assunto veio à tona após o vereador Chico Preto (Democracia Cristã) publicar um vídeo nas redes sociais em que critica a medida e cita que não participou das votações que aprovaram os projetos. Ele diz que a votação ocorreu após ele sair da sessão.

O Projeto de Lei nº 370/2020 diz que o subsídio dos vereadores devem ser fixados exclusivamente pela Câmara Municipal, mas foi necessário fazer consulta à Procuradoria da Casa já que a Lei Complementar nº 173 de 27/05/2020 veda uma série de atos nos municípios onde foi decretado estado de calamidade pública por conta da pandemia.

G1 buscou um posicionamento da Câmara sobre os projetos aprovados sobre o aumento salarial dos servidores, mas ainda não obteve resposta.

fonte: g1