Obras de recapeamento e manutenção do Distrito Industrial de Manaus têm início

A Prefeitura de Manaus e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) deram início, nesta segunda-feira (20), às obras de recuperação da malha viária do Distrito Industrial 1. Os dois lotes já contratados começaram a ser executados logo após o lançamento com o trabalho de fresagem – retirada do asfalto antigo – na bola da Samsung.

São, aproximadamente, 32 quilômetros de vias que receberão serviços como recapeamento asfáltico, pavimentação rígida, drenagem profunda e superficial, entre outros. O trabalho vai ser fiscalizado pelo Ministério Público Federal.

Nesta segunda-feira, caçambas e outras máquinas estavam na rotatória do Armando Mendes.

O serviço foi dividido em três lotes, dois deles já licitados.

Fazem parte desses dois lotes as ruas Buriti , Tambaqui, Matrinxa, Tucumã, Puraque, Jutaí, Mogno , Ipê, Cupiuba, Oitis, Autaz Mirim, Solimões e adjacentes, além das rotatórias da Gilette e Armando Mendes.

Segundo a Prefeitura, as ruas com situação mais crítica fazem parte do lote um que vai ter a empresa vencedora da licitação divulgada nos próximos dias. O recurso para obras foram garantidos pelo Tesouro Nacional. O projeto todo foi orçado em 136 milhões de reais. Mais de 150 milhões foram liberados.

O superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, anunciou que uma visita às obras do Distrito Industrial deverá estar na agenda de uma futura visita do presidente Jair Bolsonaro, que deverá vir a Manaus para a primeira reunião do Conselho de Administração da Suframa.

“A nossa intenção é trazer o presidente para uma agenda positiva em Manaus, com a entrega de vários serviços e, entre eles, essa parceira com a Prefeitura de Manaus. Queremos trazê-lo à obra, para que ele possa ver que estamos dando infraestrutura ao Distrito Industrial e com isso contribuindo para gerarmos mais emprego e renda para nossa população”, afirmou.

De acordo com o secretário da Seminf, Kelton Aguiar, equipamentos modernos estão sendo utilizados na obra, entre elas uma nova máquina de fresagem capaz de fazer 300 metros quadrados por hora, o que vai dar uma grande agilidade ao serviço.

“Agora estamos correndo mesmo, para não perdermos nenhum minuto e para que possamos assim entregar a obra estipulada de acordo com o cronograma do contrato”, garantiu.

Fonte: g1