Pedreiro é preso suspeito de matar mecânico com mais de 30 facadas no AM

Um pedreiro, de 36 anos, foi preso suspeito de ter matado um mecânico com mais de 30 facadas, no domingo (13), no município de Itapiranga, no interior do Amazonas. O crime aconteceu após um desentendimento entre o suspeito e a vítima.

De acordo com o delegado titular da 38ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Itapiranga, Aldiney Nogueira, a polícia foi informada que havia acontecido um homicídio no local. Ao receber a informação, as equipes da PC-AM e PMAM se deslocaram ao lugar indicado e encontraram a vítima já sem vida.

“Em seguida as equipes se dirigiram a casa de um suspeito indicado por testemunhas, que presenciaram a ocorrência. O suspeito teria perseguido a vítima após puxar uma faca que trazia em sua cintura”, relatou o titular.

O delegado informou que, após localizarem o suspeito, os policiais verificaram manchas de sangue no corpo dele. Inicialmente, o homem negou o crime, porém, confessou posteriormente. Ele contou que foi atacado primeiro pela vítima, com um terçado.

“Ainda segundo testemunhas, após receber a primeira agressão, o autor do homicídio sacou uma faca da cintura e perseguiu a vítima por um beco. No local, após o pedreiro colidir com uma cerca de arame farpado, o suspeito desferiu cerca de 35 facadas nele”, detalhou o delegado.

Durante investigações, foi constatado que os envolvidos não tinham um relacionamento amigável, após desentendimentos por causa de um conserto de uma motocicleta que pertencia ao pedreiro.

Ambos tinham um histórico de desavenças, e o autor já havia respondido a procedimentos criminais pelos crimes de lesão corporal e ameaça, segundo a polícia.

O homem foi preso em flagrante por homicídio qualificado. Ele está detido na carceragem da 38ª DIP, aguardando transferência para o sistema prisional, tendo em vista que o pedido da PC-AM de conversão da prisão em flagrante para preventiva foi atendido pelo Poder Judiciário.

“Ao que tudo indica, tanto vítima quanto o autor estariam em estado de embriaguez no momento do crime. É nosso dever alertar a população sobre o abuso no consumo de bebidas alcoólicas e suas graves consequências”, explicou Nogueira.

G1AM