Polícia analisa circuito de segurança em condomínio onde servidora do TRT foi achada morta em Manaus

Polícia analisa circuito de segurança em condomínio onde servidora do TRT foi morta

Polícia analisa circuito de segurança em condomínio onde servidora do TRT foi morta

Nesta quinta-feira (26), a Polícia Civil informou que vai analisar o circuito de segurança do condomínio onde a servidora do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (AM/RR) Silvanilde Ferreira Veiga foi encontrada morta no sábado (21), em Manaus. As investigações em torno do caso já estão no quinto dia.

O corpo de Silvanilde foi encontrado pela própria filha, no apartamento onde as duas moravam, no bairro Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus.

 

O trabalho realizado pela polícia na manhã desta quinta foi interno e de análise de depoimentos de pessoas que já foram ouvidas. Outras pessoas devem prestar depoimentos durante a tarde, mas os nomes foram mantidos em sigilo para não atrapalhar o andamento das investigações.

De acordo com o titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Ricardo Cunha, o material analisado são de gravadoras digitais, que têm diversos canais, cada um ligado a uma câmera do condomínio, ou seja, o material bruto das imagens gravadas no condomínio no último sábado (21), dia em que Silvanilde foi morta.

O material é chamado de DVR, um dispositivo eletrônico que grava vídeo em formato digital e que pode ser guardado em uma unidade de disco, USB e até cartão de memória.

 

Polícia segue com depoimentos sobre morte de servidora do TRT no Amazonas

Polícia segue com depoimentos sobre morte de servidora do TRT no Amazonas

A delegada Marília Campelo, do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), informou que ainda aguarda o resultado do laudo do Instituto Médico Legal, que pode apontar o horário em que Silvanilde morreu e ajudar a seguir uma linha de investigação. Questionada sobre uma possível reconstituição do caso, a delegada informou que ainda trabalha com análise de materiais.

“Em uma reprodução simulada dos fatos, a gente reproduz o que alguém está dizendo e como foi para saber se é verídico ou não o que a pessoa esta afirmando. Então, no momento não tem como fazer isso agora. A gente ainda está a procura desse autor”, disse.

Entenda o caso

 

O corpo de Silvanilde Ferreira foi encontrado pela filha, na noite de sábado (21), com maracas de estrangulamento e perfurações no abdômen. O boletim de ocorrência foi registrado na madrugada de domingo (22).

Silvanilde era diretora da 15ª Vara do Trabalho de Manaus, do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT-11).

Para a polícia, a filha de Silvanilde contou que estava passeando com o namorado, no momento do crime. Stephanie Veiga informou que tentou entrar em contato com a mãe duas vezes, por volta das 22h de sábado, mas sem sucesso. De acordo com os relatos da jovem no Boletim de Ocorrência, ela decidiu ligar para a mãe depois que recebeu uma notificação de alerta do celular de Silvanilde.

A filha da servidora disse que chegou a pedir ajuda do porteiro do condomínio, que informou que ninguém atendia ao interfone, mas que os veículos estavam todos nas respectivas vagas. Logo depois o corpo de Silvanilde foi encontrado.

Servidora do TRT morta em apartamento de Manaus é sepultada nesta terça (24)

G1AM