Preço da gasolina sobe pela 3ª semana seguida e volta a marcar novo recorde no país

O preço da gasolina subiu pela terceira semana seguida e voltou a marcar um novo recorde nos postos de combustíveis, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados nesta sexta-feira (29).

 

O preço médio do litro da gasolina ficou em R$ 7,283 nesta semana, o que representa uma alta de 0,18% em relação ao levantamento anterior. Trata-se do maior valor nominal pago pelos consumidores desde que a ANP passou a fazer levantamento semanal de preços, em 2004.

O pico até então tinha sido registrado na pesquisa realizada na semana passada, entre os dias 17 e 23 de abril, quando o preço encontrado do litro da gasolina foi de R$ 7,270 o litro.

 

maior preço apurado nos mais de 5 mil postos pesquisados foi de R$ 8,599 o litro. O menor valor encontrado foi R$ 6,290.

O balanço desta sexta da ANP também apontou uma alta no preço dos demais combustíveis.

Nesta semana, o preço do diesel registrou um avanço de 0,15%, para R$ 6,610 o litro. O valor do etanol teve alta de 0,78%, para R$ 5,539 o litro.

Preço da gasolina sobe e atinge novo recorde no país

Preço da gasolina sobe e atinge novo recorde no país

Disparada dos preços

 

A disparada dos preços dos combustíveis ocorre em meio à forte alta nos preços internacionais do petróleo após a Rússia ter invadido a Ucrânia, impactados pela oferta limitada frente a demanda mundial por energia.

Desde 2016, a Petrobras adotou o chamado PPI (Preço de Paridade de Importação), após anos praticando preços controlados, sobretudo no governo Dilma Rousseff. O controle de preços era uma forma de mitigar a inflação, mas causou grandes prejuízos à petroleira.

Pela política de preços atual, os preços cobrados nas refinarias se orientam pelas flutuações do preço do barril de petróleo no mercado internacional e do câmbio.

Preços do gás, gasolina e etanol disparam em abril

Preços do gás, gasolina e etanol disparam em abril

Na sua posse, o novo presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, não endereçou diretamente a questão da política de preços da Petrobras, mas sinalizou que pretende manter o “modelo de gestão” adotado desde 2017 com melhorias na “comunicação da empresa” sobre suas ações.

G1AM