Professores da rede estadual rejeitam proposta de reajuste salarial de 14,57% do governo,diz Sinteam

Em reunião realizada na manhã desta quinta-feira (29), na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), professores da rede pública estadual de educação decidiram rejeitar a proposta de reajuste salarial de 14,57% apresentada pelo governo. A decisão, no entanto, será oficializada em assembleia geral na próxima segunda-feira (2), segundo o sindicato. Professores estavam exigindo reajuste de 35%.

O Sinteam informou, por meio de assessoria, que após a reunião em que o governo apresentou a nova proposta de reajuste, a maioria dos professores já estava comunicando que não aceitaria o acordo.

“Quem decide é a assembleia, só que a gente já está sentindo o sentimento da categoria desde ontem. Ontem, quando eles saíram da reunião com o subsecretário da Seduc, eles já deram o informe para os professores que estavam lá do lado de fora [da Seduc] e também aos que estavam na frente da sede do Governo, e o pessoal disse que não vai aceitar”, informou a assessora de comunicação Mariane Cruz.

Cruz informou ainda que a decisão será oficializada em uma assembleia na próxima semana. “A gente acredita que esse é o sentimento da maioria, mas isso oficialmente só vai ser decidido na assembleia que acontece segunda-feira. Oficialmente, só quem pode rejeitar a proposta é a assembleia. Aí, como funciona? A assembleia rejeita, aí a gente comunica o governo que não foi aceita e tenta uma nova negociação, ou não, o governador pode se negar. A categoria vai ter que decidir o que vai fazer”, disse.

Proposta do Governo

O Governo do Estado propôs o reajuste de 14,57% aos servidores da educação, representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), na tarde de quarta-feira (28), na sede do órgão, na Compensa.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) informou que “além dos 4,57% relativos à correção da data-base de 2017, o Governo propôs mais 1% ao mês de reajuste, perfazendo 10% até o final do ano (a contar de março) e o pagamento de 10% a título de abono do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)”, informou.

“Com a expectativa de recuperação da arrecadação estadual, decorrente dos ajustes feitos pelo atual governo e a melhora na economia, é possível projetar o pagamento de mais 1% ao mês aos servidores da educação, perfazendo 10% até o final do ano. Desta forma, o reajuste proposto pelo Governo do Estado chegará a 14,57%”, esclareceu em nota a Seduc.

Em relação ao Fundeb, o Governo afirmou que trabalha com uma projeção da ordem de R$ 1,5 bilhão de repasses para este ano. “Se confirmada a projeção, o Governo do Estado deverá destinar aproximadamente R$ 955 milhões (o equivalente a 60% do total do fundo), até o final do ano, somente para remuneração dos profissionais do magistério da rede estadual. Com o reajuste de 4,57% proposto, a folha de pagamento da Seduc chegará a R$ 1,080 bilhão até o final do ano. Isso sem contar o impacto com a correção mensal de 1% proposta pelo Governo”, informou.

Fonte: G1