Início Mundo Rússia fecha escritório de rádio-televisão canadense e anula credenciais de jornalistas em...

Rússia fecha escritório de rádio-televisão canadense e anula credenciais de jornalistas em Moscou

País justificou que a medida foi uma resposta a decisão do Canadá, que em marco proibiu a transmissão de conteúdos do grupo russo RT

Moscou, Rússia – A Rússia determinou nesta quarta-feira (18) o fechamento do escritório em Moscou da rádio-televisão canadense CBC/Radio-Canada e a anulação das credenciais e dos vistos de seus jornalistas, uma decisão considerada “inaceitável” pelo primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau.
Trata-se da primeira vez que Moscou veta um grupo de mídia ocidental desde o início da ofensiva russa na Ucrânia, em 24 de fevereiro. A Rússia explicou que se tratou de uma resposta à proibição, em março, para que provedores de TV canadenses transmitissem conteúdo de canais do grupo russo RT no país.
Continua após a publicidade
“Com sua decisão de expulsão dos meios de comunicação canadenses de Moscou, Putin tenta impedir que informem sobre os fatos e isso é inaceitável”, reagiu Trudeau no Twitter. “Os jornalistas devem poder trabalhar com segurança, sem censura, intimidação ou interferência”, acrescentou.
A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zalharova, disse que “a CBC tinha se tornado um megafone de propaganda” contra a Rússia e acusou o governo canadense de ter “adotado um rumo abertamente russófobo”.
Também denunciou o apoio do Canadá à Ucrânia antes e depois da ofensiva russa.
Continua após a publicidade
O grupo CBC/Rádio-Canadense se declarou “profundamente decepcionado” com a decisão do Kremlin e lembrou que tinha uma correspondência internacional em Moscou há 44 anos e era a única empresa de mídia canadense com presença permanente no país.
A CBC, que empregava nove pessoas na Rússia, entre elas três jornalistas estrangeiros, anunciou no começo de março que suspendia “temporariamente” o trabalho de seus repórteres na Rússia devido a uma nova lei que prevê penas de prisão por divulgar “informação enganosa sobre o exército”, em plena ofensiva russa na Ucrânia.