Trabalhador morto por engano foi confundido com rival de grupo criminoso em Manaus, diz PC

Em Manaus, polícia procura por suspeitos envolvidos em morte de trabalhador

Em Manaus, polícia procura por suspeitos envolvidos em morte de trabalhador

O alvo dos suspeitos de matarem um jovem de 24 anos por engano, em um hotel no Centro de Manaus, no sábado (30), era um rival de uma facção criminosa, segundo a Polícia Civil. A vítima foi morta por engano, dois homens foram presos e um adolescente apreendido suspeitos de envolvimento do caso.

De acordo com o delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), os suspeitos planejaram ir ao local para matar um homem que seria de uma facção criminosa rival da que eles fazem parte.

“Esse grupo se armou para ir até esse hotel e executou essa vítima. Contudo, após a morte dela, souberam que atiraram na pessoa errada. Isso foi constatado também nos interrogatórios que nós fizemos aqui na delegacia, que confirmaram a mesma história. Era para ser morto um desafeto dessa facção e foi morto um inocente. Uma pessoa que estava ali trabalhando para levar o sustento para sua família”, informou o delegado.

O caso

 

De acordo com a polícia, o crime aconteceu na manhã de sábado 8h, em um hotel localizado na Avenida Joaquim Nabuco, bairro Centro, Zona Sul de Manaus.

Dois suspeitos foram presos ainda no sábado, no Centro. A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), em conjunto com a Polícia Militar do Amazonas (PMAM), prendeu, em flagrante, um jovem de 19 anos por volta das 8h30 e um outro homem, de 29, às 11h.

Conforme o delegado Ricardo Cunha, titular da DEHS, o crime teve a participação de um adolescente de 15 anos e de um quarto suspeito conhecido como “Gordinho”.

“O grupo criminoso alegou que Ivan foi morto por engano, em seu local de trabalho. Dois deles, no dia do crime, ficaram do lado de fora, e outros dois abordaram a vítima na recepção, onde Nelson efetuou os disparos de arma de fogo contra Ivan”, afirmou o delegado.

Segundo Ricardo Cunha, meia hora após o homicídio, durante patrulhamento de rotina pelo Centro, policiais militares perceberam que o jovem de 19 anos e o adolescente apresentaram “atitudes suspeitas”, quando viram a viatura da PM.

Os PMs fizeram abordagem e revista pessoal. Com a dupla, os policiais encontraram o celular que pertencia a Ivan Santana. De acordo com a polícia, o aparelho foi levado após o homicídio.

O jovem e o adolescente foram levados para a Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai).