Faixa do Salgueiro terá referências do circo em bossas da bateria

O circo é considerada a mãe de todas as artes. É nessa manifestação artística que surgem todas as outras. Embora, o enredo do Salgueiro não seja o circo propriamente dito, a homenagem da vermelha e branca ao palhaço Benjamin de Oliveira terá muitas referências circenses. A faixa da escola para o CD do Grupo Especial já dará essa apresentação. Mestre Guilherme explicou ao site CARNAVALESCO que realizou pesquisas antes de gravar as bases de ritmo da faixa.

“Nosso arranjador é o Alceu Maia, a gente da pitacos, assim como os cantores. Tivemos uma ideia inicial, o Alceu acertou algumas coisas. Temos uma temática circense e por isso pesquisamos bastante e encontramos marchas aceleradas, vamos ter uma valsa em nossa faixa. Atendemos ao que a melodia pede. Gravamos em 143 BPM (batidas por minuto)”, detalhou o mestre.

O irmão de Guilherme e também mestre da Furiosa, Gustavo, falou que conhece o trabalho de bastidores de uma gravação, uma vez que já participou de inúmeros projetos enquanto ritmista. É a primeira vez da dupla como mestre do Salgueiro, uma vez que no CD de 2019 mestre Marcão ainda conduziu os trabalhos.

“Como ritmista já trabalhei com o Leonardo Bessa no CD da Série A. Mas é claro que como mestre trabalhar com tantas referência da um certo frio na barriga, mas deu tudo certo. É uma honra ter participado dessa faixa como mestre do Salgueiro”.

Quem também demonstrou bastante satisfação com o resultado da obra foi um dos intérpretes da escola, Emerson Dias. Indo para o seu segundo ano como cantor oficial na escola de coração, Emerson destacou o DNA salgueirense da obra.

“Considero que nossa obra possui a cara e o DNA do salgueirense. É uma melodia muito valente, que vai possibilitar à nossa comunidade aquele padrão de canto que o Salgueiro se acostumou a manter na avenida. E ainda tem o show da nossa bateria, dois jovens de muito talento que possuem o sangue salgueirense. O resultado de nossa faixa me deixa muito feliz”, opinou.

Parceiro de Emerson, Quinho lembrou que vai defender as cores do Salgueiro pela 26ª vez na avenida. O intérprete lembra que inicialmente faria apenas dois desfiles.

“Graças a Deus tive o privilégio de pela 26ª vez na minha carreira colocar a voz em uma faixa do Salgueiro. Isso é uma das grandes honras da minha vida. Eu cheguei na escola oriundo da União da Ilha e para fazer apenas dois carnavais. O Salgueiro me deu tudo que possuo. Nosso samba vai levantar a Sapucaí novamente, não tenham dúvida”, derrete-se.

A faixa teve arranjos do experiente Alceu Maia. O músico explicou que as características circenses do enredo estarão presentes na faixa.

“Fazer arranjo é mais ou menos o lance do compositor. Às vezes você está de bobeira e vem a inspiração. Igual existe o samba por encomenda, aqui é uma encomenda de arranjo. Esse samba do Salgueiro tem uma harmonia diferente, embora seja simples, ela não é corriqueira. É preciso prestar atenção. O circo é a mãe de todas as artes, dali veio tudo. Junto com o pessoal da escola, lembramos o circo, fizemos um acordo musical. Ficou bacana”.

O diretor de carnaval Alexandre Couto fez coro com o intérprete Emerson Dias e enalteceu as características salgueirenses do samba, lembrando a escolha por aclamação na final do Salgueiro.

“Mais uma vez gravamos um belo samba escolhido por nós. Uma obra que foi aclamada, apesar de termos uma final equilibrada. O Salgueiro está muito feliz com esse samba. Nossa faixa terá muita alegria, animação. É uma letra que não precisou de correção. Fizemos mínimas adequações”.

Fonte: carnavalesco