Sobe para quatro nº de corpos encontrados no Viver Melhor e em área de invasão nesta segunda (21) em Manaus

Mais dois corpos, ainda não identificados, foram encontrados nesta segunda-feira (21) na área de invasão próxima ao Conjunto Viver Melhor conhecida como Monte Horebe. A informação foi confirmada pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Na madrugada, outros dois homens foram assassinados na região.

Por volta de 10h, a Polícia Militar (PM) foi acionada pelo 190 e encontrou uma das vítimas dentro de uma casa na Avenida Sete de Maio. Segundo a polícia, o corpo de um homem estava em uma rede e teria sido executado com disparos de fuzil e pistola no início da manhã.

Durante a apuração da ocorrência, as polícias Militar e Civil foram informadas de que havia um outro corpo próximo ao local, no bairro Lago Azul. Uma equipe da 26ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) se dirigiu ao endereço e acionou os militares da Companhia Independente de Policiamento com Cães (CIP Cães) para auxiliar nas buscas.

O cadáver foi localizado com auxílio da cadela Fiona. Os bombeiros removeram o corpo, que estava enterrado em uma área de mata, e o encaminhou para perícia do Instituto Médico Legal (IML).

Equipe da CIPCães localizou corpo enterrado na área de invasão na Zona Norte — Foto: Divulgação/PMAM

Equipe da CIPCães localizou corpo enterrado na área de invasão na Zona Norte — Foto: Divulgação/PMAM

Primeiros casos

Entre 3h e 4h desta madrugada, a polícia encontrou dois corpos em áreas ligadas ao tráfico de drogas.

No Monte Horebe, o IML e peritos do Departamento de Polícia Técnica Científica (DPTC) precisaram aguardar a PM montar duas equipes de contenção para entrar na invasão, considerada zona de área vermelha. Houve relatos de troca de tiros entre traficantes da região.

Outro rapaz, de 20 anos, também foi morto por volta das 3h na Rua Jamandi, no Conjunto Viver Melhor II, próximo à entrada da invasão Monte Horebe. Segundo a polícia, a vítima estava em frente ao bloco residencial em que morava quando foi abordada pelos criminosos encapuzados.

As equipes da DEHS trabalham agora para identificar as circunstâncias, bem como a motivação dos crimes. Por conta da similaridade dos armamentos que foram utilizados nos quatro crimes, a polícia investiga se há relação entre eles.

Fonte: G1